Tabaco no plano

Brasília/DF – Em audiência com o secretário de Agricultura Familiar, José Ricardo Roseno, o deputado Heitor Schuch (PSB/RS) apresentou ontem, em Brasília, propostas da Afubra para o Plano Agrícola e Pecuário 2017.

Entre elas, a alteração na resolução 4.513/2016, do Banco Central, que estabelece os critérios para os produtores de tabaco acessarem o Pronaf Investimento. Objeto de polêmica no ano passado, a medida exige como critério para a concessão do crédito o aumento progressivo de comprovação dos índices de receita bruta com outras culturas que não o tabaco até alcançar 50% na safra 2020/2021.

“Na safra anterior conseguiu-se reverter a determinação, mas agora o assunto volta à tona”, explica Schuch, reiterando que o pleito dos fumicultores é pelo retorno para o percentual de 20% da receita com a diversificação.

A Afubra também pede a correção do Manual do Crédito Rural, que proíbe o financiamento via Pronaf para construção, reforma e manutenção de estufas de uso misto, que, além de produtos como milho e feijão, são usadas na secagem do tabaco. “Se a intenção é fomentar a diversificação, as normativas contrariam o objetivo”, disse.Texto: Jornal Gazeta do Sul 13/04/2017

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *