Quando é que virá mesmo o frio?

Por: Giovane Luiz Weber, produtor de tabaco

Olá, pessoal! Tudo bem? Por aqui, estou impressionado e inquieto com o clima. O calor fora de época, já quase na metade de junho, não é nada bom para a agricultura. A terra não seca, é um mormaço, tudo apodrece, o milho para silagem tem quase de ser roubado da lavoura, por assim dizer. É uma umidade bem diferente do que se fosse com vento frio. O que o vento frio faz? Ele seca a espiga, o pé de milho, a terra. Já o calor que tem feito por esses dias mantém a umidade. Os dias estão se passando, a gente precisa atender a tarefas, mas assim é bem ruim.

As frutíferas começam a florescer

Fora que as frutíferas, caso do pêssego, já começam a querer abrir a flor, porque não sentiram frio, não estão em dormência. Por consequência, logo vai aparecer a frutinha, e se der uma geada mais adiante o pêssego já formado vai queimar e cair. Ou seja, provavelmente ficará comprometida a produção de pêssego de quem tem variedade que já começa a estourar a flor agora. A uva também precisa de frio, e se vê que esse clima não é nada propício.

É bom para lidar com o tabaco secoPara quem ainda tem tabaco seco em casa, e é nosso caso (vamos levar pelo menos mais duas semanas para aprontar), aí sim é bom de trabalhar, porque a umidade favorece se o tabaco está seco. Com a umidade, quando se abre a pilha, consegue-se lidar melhor com ele. É diferente do que se fosse com frio, que seria bom para a lavoura, para as plantas, mas que seca mais ainda o tabaco.

Um grande risco para as mudas

Com a umidade e o calor desses dias, temos de cuidar bem as mudas nos canteiros. O tempo abafado, inclusive com pouco sol, facilita que as mudas adoeçam. Em dois toques se perde um canteiro. Depois que os fungos se instalam e proliferam, é difícil eliminá-los. Por isso tem de estar prevenido, aplicando corretamente os produtos que forem receitados pelos técnicos. E arejar os canteiros, abrindo os panos, bem como podar, para não deixar criar muito volume. O risco de ter problema é grande.

Inverno com frio, sinal de safra boa

Para quem é da colônia, ou conversa com pessoas de idade, sempre vai ouvir essa história: um inverno bem frio é muito bom, ideal, para uma safra boa lá adiante. E não é história; é pura verdade. De meu tempo na agricultura, já sei disso muito bem. Num inverno em que falta frio, o inço na lavoura prolifera ao invés de queimar com a geada e morrer. Os insetos que morreriam por causa do frio, ou não se reproduziriam, continuam a se reproduzir, e quando chega a planta na lavoura esta segue tomada de inços e de insetos que não foram combatidos pela própria natureza. O frio é ruim para os animais, mas é essencial para depois termos uma boa lavoura.

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *