Próxima safra de tabaco vai ter contribuições e taxas menores

Santa Cruz do Sul/RS – Pelo segundo ano consecutivo, a Assembleia Geral da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra) definiu mudanças positivas para seus associados em relação às taxas e contribuições que incidem sobre o Sistema Mutualista. A reunião, realizada nesse sábado no auditório do Teatro Mauá, em Santa Cruz do Sul, aprovou a redução no percentual de contribuição para inscrição das lavouras de tabaco de 5,4% a 5,2% para o auxílio sobre danos causados pelo granizo.

Para quem tem direito às bonificações de 10%, 20%, 30% e 40%, as taxas baixaram para 4,7%, 4,2%, 3,6% e 3,1%, respectivamente. O bônus é concedido aos produtores que efetuam inscrição de forma ininterrupta e sem registro de prejuízos com granizos indenizáveis, seguindo períodos pré-determinados. As regras para pagamento à vista das inscrições de lavouras no Sistema Mutualista também tiveram algumas alterações. Para a safra 2018/2019, os produtores têm direito a desconto de 7% caso antecipem o pagamento até 31 de agosto. Para quem optar pela liquidação até 30 de setembro, o percentual é de 5%, e até 31 de outubro, prazo final de inscrições, o desconto é de 3%.

Desde a safra 2017/2018, o prazo de carência passou a ser de sete dias, a partir da entrega dos pedidos de inscrição de lavouras na Afubra, matriz e filiais, e postagem no Correio. A nova regra foi aprovada em assembleia geral em julho de 2016. “Para o produtor devedor, mesmo tendo feito sua inscrição anterior ao pagamento, a validade contará sete dias a partir da data do pagamento”, explicou o presidente da Afubra, Benício Werner.

Conforme Werner, na safra 2017/2018 o número de estufas danificadas subiu de 895 para 1.261. “Foram estufas danificadas por queimas, mas principalmente por conta de um forte temporal que atingiu a Região Sul no final de fevereiro e trouxe um prejuízo muito grande”, avaliou. Já em relação ao granizo, houve o registro de  91 ocorrências do fenômeno, contra 118 na safra anterior. O número de associados atingidos, contudo, saltou de 19.772 para 25.371, considerando agricultores de todo o País. “Houve ainda um aumento de 13% no valor que o associado recebeu a mais, individualmente, porque as quedas de granizo foram bem fortes”, comentou.

Valor da URM

Para a próxima safra também haverá mudanças na Unidade Referencial Mutual (URM), que serve de base para o recebimento e pagamentos dos auxílios do Sistema Mutualista. O valor da URM passa de R$ 12,20 para R$ 12,71. Werner explica que o reajuste se faz necessário pela variação estimada do custo de produção e serve para corrigir os benefícios do Sistema Mutualista, como auxílio-funeral, queima de estufa e danos em lavouras. Como a comercialização da safra 2017/2018 ainda não está concluída, estima-se que o volume total deva ficar em 667.223 toneladas. Para o novo período, a entidade sugere redução na produção de tabaco para adequar a oferta à demanda.

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *