Proibidos no Brasil, cigarros eletrônicos são alvo de debate na Anvisa

Brasília/DF – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realizou um seminário nessa quarta-feira, dia 11, para discutir a regularização do uso de vaporizadores no País. Proibidos no Brasil desde 2009, os chamados cigarros eletrônicos são alvo de polêmica, uma vez que a indústria tabagista afirma que são menos prejudiciais à saúde, por aquecer o tabaco em vez de queimar, mas instituições na área da saúde exigem cautela e informações mais concretas.

O Painel para Discussão sobre Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs) ocorreu durante todo o dia na sede da Anvisa e teve a presença da indústria, organizações de saúde e ONGs antitabagistas. Pela manhã, representantes das empresas Souza Cruz, Philip Morris e JTI participaram do evento.

Durante a apresentação a Souza Cruz anunciou que tem investido significativamente no desenvolvimento desses itens e argumentou que os cigarros eletrônicos e os produtos de tabaco aquecido não foram utilizados por tempo suficiente para uma coleta de dados epidemiológicos de longo prazo.  A empresa ainda citou publicações internacionais que apresentam dados a respeito do tema debatido no encontro e finalizou defendendo que fontes não combustíveis de nicotina devem ser estimuladas e regulamentadas de maneira equilibrada.

Já a JTI destacou que, a partir da audiência de hoje, tem a expectativa de abrir um diálogo com o órgão regulador, no caso a Anvisa, à respeito desses produtos. Por meio da assessoria de imprensa, a empresa informa ainda que, desde a proibição de dispositivos eletrônicos no Brasil, foram feitos diversos estudos em países nos quais é permitida a comercialização. Ressaltou ainda que a discussão traz um bom conteúdo e abertura ao debate sobre esses produtos no Brasil.

A Philip Morris também se manifestou no começo da noite. A empresa destacou que entende como uma obrigação disponibilizar informação e acesso a esses produtos, que “podem impactar positivamente” aos adultos fumantes brasileiros. A assessoria de imprensa informou que o convite da Anvisa foi uma oportunidade para mostrar a Ciência que existe por trás dos produtos fabricados pela empresa. “O debate foi um marco na discussão e agora é importante que o assunto avance com brevidade e que considere os aspectos técnicos e científicos, e não a ideologia”, afirmou por meio de nota.

O SEMINÁRIO

A proposta do encontro foi promover o diálogo entre as partes interessadas antes de decidir pela regulamentação dos novos produtos de tabaco, que atualmente são vendidos ilegamente no País. Segundo a Anvisa, os cigarros eletrônicos são proibidos no Brasil porque são vendidos como um tratamento para o tabagismo, como um produto sem riscos à saúde e que poderia ser utilizado em ambientes fechados. No entanto, nenhuma das alegações foi comprovada. A fabricação e venda é permitida em mercados como China, Estados Unidos, Reino Unido e Japão. Na Dinamarca e França a venda é legalizada, mas com uma série de restrições.

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *