PROGRAMA DE APRENDIZAGEM SERÁ ALTERNATIVA PARA OS JOVENS

Iro Schünke apresenta ações do instituto durante seminário em Santa Cruz do Sul (foto:  Junio Nunes/Divulgação)

Iro Schünke apresenta ações do instituto durante seminário em Santa Cruz do Sul (foto: Junio Nunes/Divulgação)

Santa Cruz do Sul/RS – A partir do ano que vem os jovens rurais terão uma alternativa de profissionalização sem sair do campo. Foi apresentada nesta terça-feira, durante o IV Seminário de Aprendizagem Profissional, promovido pelo Fórum Gaúcho de Aprendizagem Profissional (Fogap) com apoio dos Parceiros da Aprendizagem e o Ministério do Trabalho e Emprego, a primeira ação do Instituto Crescer Legal: o Programa de Aprendizagem Profissional Rural.

De acordo com o diretor presidente do Instituto, Iro Schünke, o piloto vai durar aproximadamente um ano, com atividades práticas e teóricas, totalizando 920 horas. Considerado uma novidade no campo, será implantado de forma gradativa em cinco municípios do Vale do Rio Pardo a partir de 2016, visando atender à demanda por qualificação dos jovens do meio rural para administração da propriedade, a sucessão, agregar tecnologia e possibilitar a prática de forma orientada e voltada à aprendizagem.

“Estamos voltando ao passado para projetar o futuro. Trilhamos um longo caminho e acumulamos experiências no combate ao trabalho infantil. Entretanto, o grande questionamento dos produtores é o que fazer com os adolescentes que já concluíram o ensino fundamental e que ainda não completaram 18 anos. Percebemos que seria necessária uma nova etapa e em abril lançamos o Instituto Crescer Legal, um esforço conjunto com várias entidades e pessoas interessadas em oferecer uma resposta a essa pergunta, no sentindo de oportunizar ao jovem do meio rural alternativas que se assemelhem às oportunidades vislumbradas nas cidades, como acesso à educação, à tecnologia e à informação”, afirmou Iro Schünke.

A novidade apresentada à comunidade pela consultora Ana Paula Motta Costa consiste na oferta de cursos profissionalizantes em municípios produtores de tabaco, e prevê a contratação de aprendizes por parte das empresas beneficiadoras do produto, com sedes localizadas nas regiões urbanas, mas com vínculos de produção no meio rural. “O programa já foi protocolado no Ministério do Trabalho, Emprego e Previdência e aguarda validação para iniciarmos a organização das escolas cedidas pelas prefeituras e para a seleção dos profissionais e dos adolescentes”, informou.

Ana Paula Motta Costa, consultora do Instituto Crescer Legal, durante seminário em Santa Cruz do Sul (foto: Junio Nunes/Divulgação)

Ana Paula Motta Costa, consultora do Instituto Crescer Legal, durante seminário em Santa Cruz do Sul (foto: Junio Nunes/Divulgação)

SAIBA MAIS

O OBJETIVO DO PROGRAMA
Oportunizar aos jovens rurais formação teórica e prática para atuação empreendedora e cidadã, preferencialmente, no meio rural, de forma articulada com a escola, com o grupo familiar e com a comunidade, respeitando a legislação da aprendizagem profissional.

OS OBJETIVOS ESPECÍFICOS
> Crescimento pessoal e social contribuindo para a construção de sua identidade social e comunitária.
> Aprendizagem de conteúdos técnico-profissionais vinculados à realidade local que favoreçam a sua formação profissional e o desenvolvimento de seu potencial empreendedor.
> Convivência e o exercício de atividades coletivas de forma cooperativa.
> Criação e o desenvolvimento de projeto de produtos ou serviços adequados e/ou adaptados à realidade onde estão inseridos.

AS CARACTERÍSTICAS
> Oferta de cursos profissionalizantes em municípios produtores de tabaco, com características e temáticas adequadas à realidade local, interesses dos adolescentes e mercado de trabalho existentes;
> Os cursos terão duração de 11 meses e receberão certificação, conforme as exigências da Lei de Aprendizagem (Lei 10.097/2000 e Dec. 5598/2005);
> Serão desenvolvidos conteúdos variados, com enfoque profissionalizante prioritário na gestão rural sustentável;
> Cada curso ofertado contará com turmas de até o máximo de 20 adolescentes, que frequentarão os cursos no turno inverso ao da escola e serão contratados como aprendizes das empresas associadas;
> O programa estará organizado de acordo com as diretrizes do Ministério do Trabalho, Emprego e Previdência, com ênfase em três módulos: teórica básica, teórica específica e atividades práticas;
> A proposta da formação estará voltada para o desenvolvimento de um empreendedor em agricultura polivalente, com enquadramento no código 6120 – Produtor Agrícola Polivalente, título 6120-05, que: planejam e administram unidade de produção; preparam o solo, plantam culturas e realizam tratos de culturas; colhem e comercializam produtos agrícolas.

O PÚBLICO-ALVO
Adolescentes de 15 a 17 anos, cursando a partir do 5º ano, ou que já tenham concluído o Ensino Fundamental, oriundos de famílias de pequenos produtores rurais (produtores de tabaco).

OS MUNICÍPIOS SELECIONADOS
O projeto piloto será realizado em Candelária, Santa Cruz do Sul, Vale do Sol, Venâncio Aires e Vera Cruz. Entre os critérios utilizados para a escolha estão proximidade a Santa Cruz do Sul, onde está a sede do instituto; facilidade de aceso; número de adolescentes interessados; interesse dos municípios; e possibilidade de parcerias locais para instalação de espaço físico, incluindo laboratório de informática.

Assessoria de comunicação do Instituto Crescer Legal
Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *