Por Dentro da Safra: a primeira estufa de tabaco da safra

Por: Giovane Luiz Weber, produtor de tabaco

Olá, pessoal. Tudo bem? Por aqui, secamos a primeira estufa de tabaco colhido nesta safra. A primeira de muitas. Aproveitamos o dia de ontem para guardar esse tabaco no paiol, onde vai ficar armazenado. Agora vamos nos dedicar a colher, a trazer o tabaco da lavoura para casa conforme for amadurecendo. É trabalho de formiguinha, até final do ano. Depois, de janeiro em diante, quando terminarmos a que chamamos de safra verde (o tabaco na lavoura), começará a safra seca, quando separamos as folhas, classificamos elas, para então enfardá-las e, por fim, levá-las até a indústria.

Por aqui, começamos bem
E o tabaco da primeira estufa saiu bonito, como mostro na foto acima. Não deu folhas carijó, como chamamos as folhas pintadas. Nas estufas antigas, em noites frias, a temperatura por vezes oscila, e o tabaco fica pintado, fica carijó, e se perde em qualidade. Até deu um pouco de tabaco da classe R; são folhas que já vêm da lavoura mais passadas do ponto. Mas, no geral, a cor ficou muito boa. As estufas de ar forçado, como aquela na qual secamos, não deixam mais ficar carijó. Elas são bem-vedadas, bem-fechadas: não entra mais o ar frio e, com isso, a temperatura fica uniforme.

Tudo sinaliza para uma boa temporada
O tabaco na lavoura está bonito. A chuva dos últimos dias atrapalhou um pouco o serviço, sim, mas foi chuva mansa. A previsão é de que o tempo melhore a partir de hoje, o que permitirá que aqui na propriedade a gente encha duas estufas, a elétrica e a convencional. Como pode ser visto em vídeo no Portal Gaz, na região há muita gente fazendo desponte e colhendo. A cultura se desenvolve muito bem. Houve incidente de granizo na semana passada, mas nada muito grave. Tudo se encaminha para uma safra tranquila, embora se saiba que é sempre o clima quem comanda até o final.

Aprendizagens no Programa + Campo
Na semana passada participei, junto com outros agricultores, do Programa + Campo (foto acima). Nas atividades foram abordados os riscos relacionados a defensivos agrícolas, o jeito correto de aplicá-los, e a forma de lidar com maquinários, trator, motosserra e outros implementos, que facilitam o dia a dia, mas também podem causar danos se não forem manuseados de maneira correta.

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *