Número de lavouras atingidas por granizo cresce 18%

Santa Cruz do Sul/RS – A Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra) registrou até esta quarta-feira 7.900 comunicados de lavouras de tabaco atingidas por granizo na safra 2015/16. O número é 18% maior do que no mesmo período da safra anterior (6.700 comunicados), e cresceu vertiginosamente na última semana por conta dos temporais ocorridos nos três estados do Sul. E vai crescer ainda mais, uma vez que a região dos Vales (RS), onde mais se produz tabaco no Brasil, foi atingida por granizo no fim da tarde desta quarta.

Lavouras inteiras foram destruídas pelo granizo em Santa Cruz do Sul nesta quarta-feira (foto: Bruno Pedry/Gazeta do Sul)

Lavouras inteiras foram destruídas pelo granizo em Santa Cruz do Sul nesta quarta-feira (foto: Bruno Pedry/Gazeta do Sul)

“Os casos mais graves ocorreram na Depressão Central gaúcha, nas regiões de Santa Cruz do Sul, Venâncio Aires, Cachoeira do Sul e Sobradinho, e no Sul (Rio Negro) e Centro (Imbituba) do Paraná”, explica Paulo Vicente Ogliori, gerente de Pesquisa e Estatística da Afubra. A volta das chuvas à Depressão Central gaúcha neste meio de semana gera a expectativa de mais danos e atrapalha os levantamentos da equipe técnica que apura os prejuízos para o pagamento de auxílios sobre danos em lavouras inscritas no Sistema Mutualista. A indenização é paga no momento em que começa a fluir a comercialização da safra, geralmente a partir do início de março. Na temporada 2014/15 o benefício referente ao granizo somou R$ 79,5 milhões aos produtores.

As estatísticas da Afubra indicam que na atual safra, principalmente nos últimos dias, 1.420 casos foram registrados na região de Santa Cruz do Sul (RS), 570 na de Venâncio Aires (RS), 1.500 nas zonas de Cachoeira do Sul, Sobradinho e Arroio do Tigre (RS), 1.300 na região de Imbituba (PR) e mais 600 em Rio Negro (PR). O restante ocorreu nas demais regiões, em números mais pulverizados.

Ainda sem a conclusão do levantamento integral, o Departamento de Pesquisa e Estatística dispõe apenas da informação de que há casos de danos parciais e outros de perdas muito significativas. “No Paraná, as chuvas de granizo que ocorreram terça-feira e hoje (quarta) causaram prejuízos expressivos porque o fumo plantado mais cedo está mais desenvolvido, com 18 a 20 folhas. A queda da pedra encontra maior área para danificar”, argumenta Paulo Vicente Ogliari.

Lavouras inteiras foram destruídas pelo granizo em Santa Cruz do Sul nesta quarta-feira (foto: Bruno Pedry/Gazeta do Sul)

Lavouras inteiras foram destruídas pelo granizo em Santa Cruz do Sul nesta quarta-feira (foto: Bruno Pedry/Gazeta do Sul)

Cleiton Evandro dos Santos
cleiton@editoragazeta.com.br
Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *