Ministro quer conhecer a fumicultura

Santa Cruz do Sul/RS – Pouco mais de um mês após a histórica visita do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, ao Vale do Rio Pardo, o setor fumageiro pode dar em breve mais um passo importante na relação com o governo federal. Em reunião ontem à tarde com o deputado federal Jerônimo Goergen (PP), o ministro da Saúde, Ricardo Barros, se disse disposto a conhecer de perto a realidade da cadeia.

Por enquanto, não há confirmação de data. Chegou a ser levantada a possibilidade de a vinda ocorrer na próxima terça, aproveitando uma agenda de Barros em Santa Catarina. Conforme Goergen, porém, representantes do setor avaliaram que a véspera de feriado poderia esvaziar o encontro. Agora, o agendamento depende do ministério.

A visita de Barros foi defendida por Maggi no dia 20 de julho, quando esteve em Venâncio Aires e Santa Cruz. Na ocasião, Maggi afirmou que o ministério tinha preocupação com a utilização, nas lavouras de tabaco, de produtos nocivos à saúde dos produtores e que sua presença na região seria importante para desmitificar essa ideia.

O plano é que, assim como Maggi, Barros conheça propriedades e indústrias. Se confirmada, a visita ocorrerá em um momento sensível para a cadeia, que está na expectativa pela definição da posição que o governo brasileiro levará à 7ª Conferência das Partes (COP 7), em novembro, na Índia.

Há anos a União vem adotando uma postura hostil à fumicultura, priorizando medidas para reduzir o consumo de cigarros e a simples erradicação das lavouras. A esperança é que, a exemplo de Maggi, Barros indique um reposicionamento.

De saída?
Apesar da expectativa pela vinda de Ricardo Barros, sua permanência no Ministério da Saúde vem sendo colocada em dúvida. Barros assumiu o cargo em maio, após o afastamento da presidente Dilma Rousseff e a posse de Michel Temer. Segundo órgãos de imprensa do centro do País, seu posto teria sido negociado pelo governo para garantir os votos necessários, no Senado, para a confirmação do impeachment. Assim, ele deixaria a cadeira de ministro tão logo isso ocorresse.
Textos: Pedro Garcia e Fernanda Szczecinski, Jornal Gazeta do Sul. Leia a matéria completa na página 4 da edição desta quarta-feira.

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *