Fumicultores pedem apoio para adiar aumento de imposto do cigarro

Brasília/DF – A partir de 1º de dezembro, entra em vigor um aumento de 7% no IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) do cigarro brasileiro. Preocupados com essa taxação, os produtores de tabaco estiveram reunidos nessa terça-feira com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, pedindo apoio para que o reajuste seja adiado por um ano. Eles argumentam que o excesso de impostos no cigarro tem incentivado o contrabando do Paraguai.

O presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), Evandro Guimarães, alertou que somente em 2015 o Brasil perdeu cerca de R$ 4,5 bilhões em arrecadação com o contrabando de cigarros. Ele revelou que mais de 35% do mercado brasileiro já foi afetado pelo contrabando. “A marca líder de vendas em São Paulo vem do Paraguai”, afirmou.

O presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, disse que não está pedindo a redução de impostos, mas apenas que o governo avalie se o reajuste pode ser adiado por 12 meses. Schünke destacou que grande parte do fumo produzido no país é usada para exportação e que algumas fábricas de cigarro já foram fechadas por causa do excesso de tributação. A Região Sul é a maior produtora de fumo do País.

Nos três estados – Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina – existem mais de 150 mil famílias que vivem da plantação de tabaco em 574 municípios. Em 2004, o número de produtores era de 250 mil na região. O ministro disse que vai levar o assunto ao presidente Michel Temer. Blairo reafirmou o apoio ao setor, mas lembrou que a taxação de impostos não faz parte das atribuições do Ministério da Agricultura.

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *