EXPEDIÇÃO: MENOS QUANTIDADE, MAIS QUALIDADE NO PARANÁ

Rio Negro/PR – No roteiro pelo Paraná, o que mais ouvimos dos produtores foram queixas quanto ao excesso de chuvas. No interior de Rio Negro há casos em que a quebra de safra chegará a 50%. O excesso de umidade impediu que as folhas ganhassem peso, comprometendo a produtividade.

A constatação é a mesma em Irati. Airton Mudre, 48 anos, que plantou quase 300 mil pés de tabaco tipo virgínia, calculou que seriam necessárias 42 estufadas para a cura da safra, mas na prática foram 34. “Deu menos quantidade, mas pelo menos conseguimos uma boa qualidade”, conforma-se.

O primo dele, Antônio Carlos Mudre, de 44 anos, avalia a safra como positiva. Ele plantou 350 mil pés e encerrou a cura no meio da semana. “Nossa produtividade caiu um pouco, mas no geral a qualidade está muito boa. Espero que a avaliação na indústria seja boa também”, comenta.

Igor Müller e Bruno Pedry
igor@editoragazeta.com.br
bruno.pedry@gazetadosul.com.br

Expedição_patrocínios

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *