Diversificação é a palavra de ordem

Caderno Produtor de Tabaco – Jornal Gazeta do Sul – Edição Dejair Machado

Um dos assuntos que acompanham os produtores de tabaco ao longo do tempo é a busca por culturas que assegurem renda e a manutenção de suas propriedades. Foi graças a isso que a diversificação conquistou espaço nas propriedades e tornou-se praticamente indispensável para a subsistência das famílias.

O assunto, inclusive esteve em pauta durante a 8ª Conferência das Partes (COP-8) da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco (CQCT) realizada em Genebra, na Suíça, no começo do mês. Durante o encontro, foi possível identificar avanços na discussão do tema entre os produtores de tabaco e os municípios em que essa cultura é muito presente. Até então, este tipo de diálogo não era admitido no encontro.

Das discussões entre os organismos internacionais à adoção de medidas práticas o caminho ainda pode ser longo.  Na época em que o Brasil aderiu à CQCT, em 2005, chegou-se a prever recursos para esta finalidade junto ao governo federal por meio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, mas o ritmo dos repasses está abaixo da expectativa.

Contudo, de certa forma, o assunto não está tão distante dos produtores, que ano após ano buscam alternativas para complementar a renda. Atualmente, são desenvolvidas diferentes ações que visam fomentar a expansão do setor, tanto por entidades representativas como pelas empresas. O resultado prático é a expansão de áreas com florestas, frutas, instalação de agroindústrias e ainda a piscicultura.

Entre os exemplos neste sentido estão o viveiro agroflorestal da Afubra localizado em Rincão Del Rey, Rio Pardo. No local, a partir de convênio com a Embrapa e Emater, são produzidas mudas, dentre elas de batata-doce e de capim kurumi utilizado para pastagens. Além de berçário para as mudas, jovens filhos de produtores e estudantes de cursos como técnico agrícola ou das engenharias florestal ou ambiental, também podem utilizar o local para colocar em prática aquilo que aprendem durante as aulas.

Além do tabaco

Na prática, boa parte dos produtores de tabaco já sabe da importância de encontrar alternativas que contribuam para o complemento da renda familiar. Assim, nos últimos tempos cresceram as áreas ocupadas com florestas, frutas a ainda a criação de gado leiteiro. Desta maneira, por meio do incentivo das empresas às quais são integrados, os produtores têm a garantia de que terão rendimentos assegurados também no período de entressafra.

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *