Dia voltado para a produção do arroz

Com a proposta de apresentar alternativas de diversificação à agricultura familiar, a Expoagro Afubra terá hoje uma programação especial, voltada para a produção de arroz. No estande do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), a equipe técnica preparou uma série de instruções, que se iniciam às 8 horas. A abertura oficial da Expoagro ocorreu na manhã de ontem, no Parque de Exposições em Rincão Del Rey, Rio Pardo. A programação se estende até amanhã.

Conforme o chefe do escritório do Irga de Rio Pardo, agrônomo Ricardo Tatsch, entre as atividades está prevista a apresentação do projeto Soja 6000. “Ele visa mostrar formas de manejo da soja para alta produtividade nas áreas de várzea”, explicou. Manejo de plantas daninhas, pragas e doenças, irrigação, plantabilidade, adubação, drenagem, semeadura e escolha de cultivares serão alguns dos assuntos abordados.

Também está programada a apresentação do Projeto 10 – programa de manejo para alta produtividade de arroz –, demonstração de todos os tipos de cultivares que o Irga possui, orientações sobre preparo e propriedades nutritivas do arroz e degustação de produtos à base de farinha de arroz e do próprio cereal. Já a Embrapa fará o pré-lançamento de um cultivar de arroz irrigado para culinária japonesa.

Quem visitar o Parque de Exposições hoje ainda poderá conferir, às 8h30, o 9º Seminário de Turismo Rural, com a palestra Roteiro Caminhos da Forqueta é sucesso no Rio Grande do Sul, solenidade de repasse do prêmio financeiro às escolas parceiras do Programa de Coleta de Óleo Saturado da Afubra, entre outras atividades.
Segundo o coordenador-geral da Expoagro, Marco Antonio Dornelles, até amanhã, a organização espera que mais de 84 mil pessoas passem pela feira. Os portões serão abertos às 8 horas e a programação se estenderá até as 18. A entrada no parque é gratuita em qualquer dia e horário.

Vitrine de produtos das pequenas propriedades

O Pavilhão das Agroindústrias completa dez anos nesta edição da Expoagro Afubra. A expectativa do coordenador da feira, Marco Antonio Dornelles, é de que as vendas no espaço cresçam até 6% em relação a 2015. O espaço é uma oportunidade para que pequenos agricultores apresentem seus produtos e incrementem o orçamento familiar.

Presente na Expoagro desde a segunda edição da feira, Leandro Augusto Hilgert expõe quatro tipos de cachaças de alambique e oito de licores artesanais. “Trouxemos uma de nossas bebidas que foi eleita a melhor do País. Aqui é a oportunidade que temos para divulgar nossos produtos. Além de conseguir vender nossas bebidas aos visitantes, ainda abrimos um leque de revendedores, que nos encontram para conhecer a cachaça e oferecer em seus estabelecimentos depois”, afirmou.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR), Aldemir José Santos, destacou a convivência dos expositores como ponto positivo no pavilhão. “Os produtores aproveitam para conhecer e trocar informações, além de buscar técnicas para melhorarem seus produtos.”

Como foi a abertura

A abertura oficial da maior feira voltada à diversificação da agricultura familiar contou com a presença de autoridades políticas e lideranças que trabalham em defesa do setor. Os discursos foram abertos pelo presidente da Associação de Fumicultores do Brasil (Afubra), Benício Albano Werner, que apresentou os coordenadores da Expoagro e agradeceu o trabalho realizado por eles. Os demais participantes da solenidade destacaram a importância da atuação da Afubra junto a produtores e a agricultura como setor positivo diante da crise financeira pela qual o País passa.

A presidente da Assembleia Legislativa, Silvana Covatti (PP), falou sobre a necessidade de mudança que surge nos momentos de dificuldade e das primeiras edições da feira, na qual produtores puderam apresentar seus trabalhos e discutir estratégias de mercado e soluções tecnológicas. O deputado federal Heitor Schuch (PSB) ressaltou o modelo de seguro mútuo como exemplo a ser seguido, chamou atenção à contribuição do setor primário para os resultados do PIB de 2015 e a importância da manutenção do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Também falou sobre a falta de incentivo às indústrias para que comprem tabaco de produtores locais.

A senadora Ana Amélia Lemos (PP) parabenizou o trabalho desenvolvido pela Afubra há 61 anos e criticou a falta de ajuda ao setor por parte do governo federal. Ela ainda afirmou ter relatado seguidas vezes ao presidente do Senado as preocupações de prefeitos dos estados do Sul em relação ao setor do tabaco.

O prefeito de Rio Pardo, Fernando Schwanke (PMDB), falou em nome dos municípios fumicultores e afirmou que o Brasil não pode abrir mão de produzir e exportar tabaco. Ele ainda reforçou que a cadeia produtiva precisa ser defendida. Schwanke disse que o governo federal não pode permitir que o contrabando corroa essa cadeia.

O governador José Ivo Sartori (PMDB) foi o último a falar na solenidade. Em seu discurso, destacou o trabalho dos pequenos agricultores e a valorização dada a eles na Expoagro Afubra, sem deixar o fumo de lado.

Por dentro da Expoagro

Visita às agroindústrias

Depois de participar da solenidade de abertura, o governador José Ivo Sartori conheceu parte dos espaços da feira montada em Rincão Del Rey. No Pavilhão das Agroindústrias, conversou com produtores, posou para fotos e até brinde recebeu. Com compromisso marcado para o meio-dia, em Porto Alegre, passou rapidamente ainda pelo Espaço Cultural, onde pôde dialogar com estudantes de outros estados que participam da exposição.

Kit da diversificação

Sartori e o secretário de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Tarcísio Minetto, entregaram na manhã de ontem, ao presidente da Emater/RS-Ascar, Clair Tomé Kuhn, um kit de pesca simbólico, que representa a diversificação nas propriedades. “E essa simbologia se estende para as outras ações de Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) realizadas, seja nos nossos centros de treinamento ou mesmo no dia a dia, que contribuem para que os fumicultores possam refletir sobre outras possibilidades de produção”, enfatizou Kuhn.

Ônibus

Os visitantes que não possuem meios de transporte para ir ao Parque de Exposições em Rincão Del Rey podem contar com os ônibus disponibilizados gratuitamente pela Afubra. As saídas ocorrem em frente à loja do Centro e os retornos, no pórtico de entrada da Expoagro. Os horários são os seguintes:

Agrometeorologia

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Vale do Rio Pardo (Comitê do Pardo) reuniu ontem, na Expoagro, seus integrantes e produtores para uma palestra sobre conceitos de aplicação da agrometeorologia à produção agrícola. A engenheira agrônoma Amanda Junges, doutora em Agrometeorologia e pesquisadora da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro), falou da importância de o homem rural acompanhar os prognósticos técnicos e fortalecer sua atividade por meio da aplicação das melhores tecnologias recomendadas diante da previsão de comportamento do clima.

A palestrante deixou claro que, com a internet, qualquer agricultor ou pecuarista tem acesso imediato às melhores informações sobre o clima, e deve fazer o uso mais adequado possível. “A informação pode não ser precisa, como por exemplo quanto e onde vai chover, mas muito tempo antes de ocorrer, os agricultores já sabiam que este seria um ano de El Niño forte. Eles tiveram tempo de adotar os procedimentos necessários para neutralizar os efeitos nocivos do clima sobre suas lavouras ou pastagens, inclusive os prejuízos”, assegura.

Máquinas

Os visitantes da Expoagro podem conferir de perto, na Dinâmica de Máquinas, o funcionamento de tratores, equipamentos e implementos agrícolas. O espaço, localizado entre os dois estacionamentos do Parque de Exposições, conta com a participação de dez expositores, a maioria do Vale do Rio Pardo. No local, o uso de plantadeira, subsoladora, discos de arar, niveladora e ensiladeira é demonstrado pelas empresas participantes, em uma plantação de milho de um hectare. As dinâmicas ocorrem pela manhã, a partir das 10 horas; e à tarde, às 14.

Mudas

Um dos tantos incentivos à diversificação na Expoagro é o Viveiro Florestal da Afubra. O espaço, com cerca de 600 metros quadrados, possui mudas de espécies nativas e florestais madeireiras, além de espécies agrícolas. O Viveiro também vende plantas medicinais e ornamentais. Os preços variam de R$ 1,50 a R$ 15. Segundo a coordenadora de produção agroflorestal da Afubra, Katia Luiza Jackisch , 16 pessoas atendem os visitantes no local e podem dar informações e orientações sobre o cultivo. Mudas nativas são as mais procuradas.

Bom exemplo de diversificação

O agropecuarista Volmir de Vargas, de Barros Cassal, projeta vender 200 quilos de queijos coloniais e temperados durante a Expoagro. Toda a produção de queijos e bebidas lácteas é fabricada por ele e a esposa. Os 500 a 700 litros de leite por dia são dirigidos à queijaria, mas parte é vendida pasteurizada. A produção é resultado da diversificação da propriedade. A família plantava tabaco, mas optou por fortalecer um tambo de leite, produzir peixes e soja, milho, mandioca e itens de subsistência.

Texto: Maria Helena Lersch, Gazeta do Sul. Foto: Lula Helfer

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *