Crescer Legal é um modelo para outros setores

Santa Cruz do Sul/RS – Organizações públicas e privadas celebram nesta quarta-feira o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, instituído pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 2002, ano da apresentação do primeiro relatório global sobre trabalho infantil na Conferência Internacional do Trabalho. E esse contexto assume forte significado no Vale do Rio Pardo e em toda a cadeia produtiva do tabaco na região Sul do Brasil. Há mais de duas décadas, esse setor é reconhecido como um dos mais atuantes e com ações e programas mais eficazes e eficientes relacionados a essa temática.

O presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco), Iro Schünke, frisa que o segmento é tido como modelo na erradicação do trabalho infantil no meio rural. “O fato já foi reconhecido inclusive pela própria OIT”, menciona. Em 2018, a cadeia produtiva do tabaco completou 20 anos de ações de combate ao problema, que não é exclusivo desse setor no meio rural, sendo do interesse e requerendo o envolvimento de entidades e instituições em praticamente todos os setores produtivos e em todas as regiões do País e em outras nações.

Os frutos do trabalho no ambiente do tabaco, refere Schünke, já são afirmados por dados oficiais. Censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, apontou que na produção de tabaco foi registrado o maior índice de redução do trabalho infantil em comparação com os dados do censo anterior, de 2000. Nessa década, o setor reduziu em 58% o índice de trabalho infantil na cadeia do tabaco no Rio Grande do Sul.

São várias as ações implementadas. Desde 2009 houve orientação aos produtores, fornecida pela assistência técnica gratuita e em campanhas de mídia, e ainda foram realizados Ciclos de Conscientização. Nessa trajetória as entidades concluíram que o trabalho de conscientização é necessário para que os pais passem a valorizar a educação, mas que também são necessárias políticas públicas a fim de fortalecer as escolas no meio rural, buscando alternativas para os jovens de até 18 anos. Dentro desse esforço nasceu o Instituto Crescer Legal, iniciativa do Sinditabaco e de suas empresas associadas, com o apoio e a adesão de pessoas físicas e entidades envolvidas com a educação e com o combate ao trabalho infantil.

Desde que foi lançado, em 2015, o instituto formou 204 jovens no curso “Empreendedorismo em Agricultura Polivalente – Gestão Rural”, do Programa de Aprendizagem Profissional Rural. Em 2019, mais 136 meninos e meninas entre 14 e 17 anos, de sete municípios gaúchos, foram contratados via Lei da Aprendizagem. Diferente do que acontece na cidade, ao invés de trabalharem na empresa contratante, reúnem-se diariamente no contraturno escolar para falar sobre e vivenciar práticas de gestão rural e empreendedorismo. É mais uma iniciativa pioneira, arrojada e inspiradora para o mundo todo, voltada a essa temática.

Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *