Audiência encaminha propostas ao governo federal

Camaquã/RS – Entre as sete propostas encaminhadas em audiência pública para tratar dos problemas na comercialização da safra de tabaco realizada em Camaquã, na sexta-feira, a apresentação de um projeto que determine a compra do produto direto na propriedade e a diminuição do preço dos insumos estão entre as demandas que serão colocadas em debate pelos proponentes do encontro, deputado federal, Sérgio Moraes (PTB), e deputado estadual, Marcelo Moraes (PTB).

O município de Camaquã foi eleito para sediar a audiência, segundo Sérgio Moraes, por pertencer a uma região onde grande parte do produto ainda precisa ser entregue. Na Carta de Camaquã, elaborada durante a audiência, o deputado federal destaca entre as sete demandas a compra direta no galpão. Ele explica que há alguns anos o Ministério do Trabalho exigia a presença de fiscais do órgão no momento da negociação entre fumageiras e colonos, o que não era possível em função do elevado número de funcionários que seriam necessários para garantir o acompanhamento.

Com a queda da portaria, a dicussão será novamente reaberta por Moraes junto ao Congresso Nacional. “O atual modelo de negociação gera desgaste ao produtor, que precisa se deslocar, carregar caminhão, pagar o frete até o fechamento de um acordo.” Disse ainda que a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), entidade que para ele teria que jogar com mais firmeza na defesa do produtor, contratou técnicos para mediar as negociações em caso de dúvidas.

Outra questão se refere ao preço dos insumos. “As empresas alegam ao produtor que os insumos aumentaram por causa do preço do dólar, mas chega na hora de comprar o produto do colono colocam o preço do produto lá embaixo. Quando é para beneficiar eles (empresas) o dólar serve, mas quando é para beneficiar o produtor, não. Pedimos que o valor seja reduzido”, reclama Moraes. Ele lamentou ainda a ausência do SindiTabaco afirmando que a entidade desconsiderou os esforços do Congresso Nacional e da Assembleia Legislativa na promoção da audiência.

PEDIDOS

Com o rompimento do acordo de reajuste linear em vigor há 20 anos, os produtores de tabaco reclamam de preços baixos e arrocho na classificação do produto. Ainda constam na carta elaborada na audiência a participação do Ministério da Agricultura na classificação da safra de tabaco, a aceleração do projeto de lei que disciplina a integração agroindustrial no País, a retomada da Câmara Setorial do Tabaco no Estado e o maior rigor no combate ao contrabando de cigarros.

Redação Gazeta do Sul
Share

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *